Cinema

Atriz será a primeira heroína surda da Marvel Studios

O sucesso de “Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis” garantiu que “Os Eternos” e outras produções dos estúdios Disney sejam lançados, exclusivamente, nos cinemas. O longa estrelado por Salma Hayek e Angelina Jolie será o responsável pela introdução de vários novos super-heróis no MCU, incluindo Makkari, que será a primeira heroína surda da Marvel Studios. Em recente entrevista ao The New York Times, Lauren Ridloff comemorou sua personagem. “Meus dois meninos, que também são surdos, vão crescer em um mundo onde há super-heróis surdo. Isso significa que eles serão capazes de sonhar um pouco mais além”, disse ela, que ainda relatou como surgiu a oportunidade de participar do filme.

Foto: Amy Harrity

“Eu levei meu filho para uma audição, e o diretor lá me viu e disse que me queria para outra coisa. Meses depois, ele ligou para meu agente e disse que estavam me considerando para um filme da Marvel, mas que não podia dizer qual. Eu fiquei sem acreditar. A princípio, pensei que seria para Pantera Negra. Então, me ligaram dizendo que queriam me conhecer e foi aí que me encontrei com Chloé Zaho e Nate Moore, que me explicaram tudo e perguntaram se eu estava interessada. Minha resposta foi imediata”, disse ela, que precisou da ajuda de um intérprete para conceder a entrevista ao jornal.

A atriz, que é deficiente auditiva desde o nascimento, ainda comentou que recebeu ajuda de Angelina Jolie durante as filmagens. Foi a intérprete de Thena quem sugerir uma solução para tornar a comunicação com Ridloff mais fácil. “Em algumas cenas, tive que ficar de frente para uma parede. Sendo uma pessoa surda, como você me dá sinais? Em dado momento, eu estava compartilhando minha frustração com Angelina Jolie. E ela imediatamente fez uma sugestão: por que não usamos uma caneta a laser que os efeitos especiais possam apagar facilmente? Aquele foi um momento de surpresa”, falou. “Sempre que estou olhando para uma parede, os intérpretes usam uma caneta a laser para fazer um círculo na parede, o que significa rolling, rolling, rolling [gravando] e, uma vez que ele vai embora, eu entendo que é ação“, acrescentou.

Ridloff ainda contou que, durante a gravação de uma das cenas que tinha um grande estampido, todos os integrantes do elenco estavam usando protetores auriculares, menos ela. “Um homem, então, perguntou se eu tinha certeza”, brincou a atriz. “Naquele momento, eu me senti como um super-herói. Todo mundo comentou como o barulho havia sido alto”, completou.

Nos quadrinhos, Makkari é um homem branco, que escuta perfeitamente. Ridloff revelou não saber o porquê de a Marvel ter decidido torná-lo surdo, mas que ficou muito feliz com a decisão. “Sendo honesta, eu não sei como eles tomaram essa decisão. Mas eu amo o fato de eles terem feito dessa personagem tudo que ela não é nos quadrinhos. Ele é alguém enorme, e agora será alguém pequeno. Ele é louro, eu tenho cabelo escuro. Ele é homem, e eles decidiram por uma mulher surda”.

Foto: Amy Harrity

A atriz também falou que chegou às gravações decidida a mostrar que não era frágil e que seria fácil trabalhar com ela. “Depois de trabalhar com o elenco, eu percebi que todos tinham os seus desafios e que eu não precisava pedir desculpas pelas minhas limitações, mas apenas fazer o meu trabalho. Muitas vezes, me senti pressionada porque estou abrindo caminhos para outros atores surdos, mas sempre lembro que o meu papel é inspirar as pessoas. Quando eu estava crescendo, eu não sonhava em ser atriz, nunca me imaginei nas telonas. Quando criança, muitas vezes, me senti como a única surda do planeta. Agora, como adulta, sei que existem, pelo menos, 466 milhões de pessoas com essa mesma dificuldade. Não sou a única. E isso é o que significa representar a primeira heroína surda. Nós não estamos sozinhos, e todos verão as possibilidades que nós temos”, concluiu.

Sobre o autor

Patriolino Ribeiro Neto

Patriolino Ribeiro Neto

Patriolino Ribeiro Neto é formado em Publicidade e Propaganda pela Universidade de Fortaleza. É também graduado em Jornalismo, área em que atua há mais de dez anos. Em 2008, a estreia na televisão ocorreu quando passou a comandar um telejornal esportivo. Viajar sempre foi uma paixão, tornando-se parte do seu trabalho em 2009. A curiosidade pela Disney o inspira desde pequeno. Muito cedo, começou a frequentar os complexos de parques temáticos da empresa ao redor do mundo e, até hoje, os tem como destinos preferidos. Dentre os seis resorts, Walt Disney World e Disneyland são seus prediletos.