Cinema

Produtor de “Shang-Chi” fala sobre criação do filme

Com uma arrecadação de cerca de US$ 146 milhões e um novo recorde de bilheteria de um feriado prolongado do Dia do Trabalho, nos Estados Unidos, “Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis” é o filme do momento e tem surpreendido até mesmo os fãs do MCU. Com inúmeras sequências de ação e elementos inéditos para uma produção da Marvel Studios, o longa poderá, em breve, se transformar em uma trilogia, ganhando novas sequências. Que o protagonista, Shang-Chi, e sua melhor amiga, Katy, irão retornar em breve, isso já não é mais novidade. A dúvida é se eles aparecerão em uma das histórias já previstas no calendário do estúdio ou se farão parte de uma nova fase.

Em entrevista ao Collider, o Produtor Executivo do filme, Jonathan Schwartz afirmou que, durante a concepção de “Shang-Chi”, a equipe não pensou no filme como uma trilogia, mas criou o enredo de uma forma que pudesse ser continuado. “Nós sempre demoramos muito para fazer um filme e sempre imaginamos que ele pode se tornar uma franquia, mas a realidade é que a gente sempre tenta fazer o melhor filme possível e contar uma história da melhor forma. Aí a gente torce para que as pessoas gostem e queiram ver mais dessas personagens ou desse mundo. Certamente, nós temos mais histórias para contar. Mas, por enquanto, a gente precisa ver a perspectiva do público a respeito do filme. Se eles tiverem apetite para mais, aí podemos falar sobre uma próxima história”, disse.

Quando questionado a respeito de personagens não-humanas que ganham destaque na produção, no terceiro ato, Schwartz afirmou que elas não se parecem muito com a Marvel, mas fazem parte do gênero do filme e, por isso, foram utilizadas. “Elas se parecem pouco com o estilo da Marvel, mas fazem parte dos filmes de artes marciais. Então, isso nos deu confiança de que poderíamos utilizá-las e que o público embarcaria nessa jornada. E elas fazem parte da história. Não são algo que aparece do nada. Nós construímos esse quebra-cabeças de forma que o público percebe que haverá mais dessa fantasia até o final do filme, e eu acho que isso foi um bom ingrediente para fazer a história funcionar”, acrescentou.

Sobre as cenas e sequências de ação, o produtor explicou o quão demorada elas são para fazer e atribuiu o sucesso da versão final delas ao diretor Destin Daniel Cretton. “É preciso muito trabalho para realizá-las e pessoas que saibam o que estão fazendo. Eu dou todos os créditos ao Destin, que tem uma habilidade visual incrível. Ele tem uma perspectiva distinta sobre a ação. Eu acho que ele não queria ficar entediado e nem queria entediar ninguém. Ele queria que a ação parecesse dinâmica, e eu acho que ele fez um excelente trabalho. Ele, claro, é um fã das artes marciais”, afirmou. “Em Shang-Chi, cada uma das lutas parece diferente. Cada uma delas é uma homenagem a um gênero ou um sub-gênero das artes marciais no cinemas. Isso exigiu muita expertise, diferentes processos e muito tempo”, completou.

Ainda sobre Cretton, Schwartz comentou que a Marvel Studios está sempre em busca de cineastas que possam contar histórias de novas formas e que estava confiante de que ele, apesar de pouco conhecido, faria um bom trabalho. “O Destin tem mais experiência do que muitos cineastas com os quais já trabalhamos. Nós estamos sempre buscando novas vozes, que estejam animadas em trabalhar em nosso mundo e que possam trazer algo individual e único, que nós ainda não tenhamos visto. Nós queremos alguém que dê voz às personagens e que nos passe confiança de que terá condições de executar a visão que temos para as histórias. Por tudo isso, muitas vezes, a gente se sente confiante de escolher certos cineastas porque sabemos que temos um sistema que vai permitir que eles façam o melhor trabalho possível”, disse.

Atualmente, Schwartz está trabalhando em “Invasão Secreta” e em um outro filme. “Infelizmente, eu não posso dizer absolutamente nada sobre elas. Com exceção de que Invasão Secreta existe, eu não posso dizer nada, é um segredo”, disparou. Ele foi, então, perguntado como a Marvel decide aquilo que será uma série e o que virará filme. “Nós decidimos isso juntos. O que faz mais sentido para a plataforma? O que faz mais sentido para os cinemas? Aonde cada personagem deve ir? Nós pensamos isso como um grupo. O streaming nos dá a oportunidade de contar histórias fora do padrão. Quando queremos uma nova estrutura, que, às vezes, pode parecer estranha, pensamos na televisão. Mas a gente também pensa os filmes de maneiras inéditas porque sabemos que o público quer novidades e quer ver diferentes níveis e formas de histórias”, afirmou ele, que ainda disse que, em uma batalha de super-heróis, Shang-Chi, um dos seus favoritos, não perderia para outros veteranos.

“O Shang-Chi com os dez anéis é formidável. Acho que qualquer um poderia ganhar. Entre ele, Hulk e Thor, acho que a batalha poderia pender para qualquer um dos lados”, concluiu.

Sobre o autor

Patriolino Ribeiro Neto

Patriolino Ribeiro Neto

Patriolino Ribeiro Neto é formado em Publicidade e Propaganda pela Universidade de Fortaleza. É também graduado em Jornalismo, área em que atua há mais de dez anos. Em 2008, a estreia na televisão ocorreu quando passou a comandar um telejornal esportivo. Viajar sempre foi uma paixão, tornando-se parte do seu trabalho em 2009. A curiosidade pela Disney o inspira desde pequeno. Muito cedo, começou a frequentar os complexos de parques temáticos da empresa ao redor do mundo e, até hoje, os tem como destinos preferidos. Dentre os seis resorts, Walt Disney World e Disneyland são seus prediletos.