Cinema

Sétima arte: o que a Disney espera para o próximo ano?

Sem sombra de dúvidas, o ano de 2018 foi de grandes bilheterias para os estúdios da Disney. Somando a arrecadação de apenas três dos longas lançados este ano, a empresa arrecadou mais de US$ 5 bilhões. “Pantera Negra”, “Avengers: Infinity War” e “Incredibles 2” foram os responsáveis por astronômicas somas.

Os dois longas da Marvel Studios abocanharam, respectivamente, US$ 1.346.913 bi e US$ 2.047.687 bi. Já “Os Incríveis 2” alcançou pouco mais de US$ 1.2 bi. Ainda esta semana, a estreia de “Mary Poppins Returns” promete alavancar ainda mais a arrecadação da Disney, cujo valor total ultrapassa os US$ 7 bilhões este ano.

Para 2019, a arrecadação com filmes deve superar – e muito – o valor até aqui. Grandes promessas serão lançadas. Entre elas, as novas versões de “Dumbo”“Aladdin” e “O Rei Leão”, o último episódio de “Avengers”, a continuação de “Toy Story”, a sequência de “Frozen” e ainda o capítulo final da atual trilogia de “Star Wars”. Além deles, outros títulos como “Capitã Marvel” e “Artemis Fowl” também chegarão às telonas. 

Estimativas consideram que, caso os filmes repitam bilheterias de sucessos anteriores, a empresa irá arrecadar, pelo menos, US$ 9 bi com os títulos citados. Entretanto, nomes como “O Rei Leão”, “Toy Story 4” e “Avengers: Endgame” podem surpreender e levar os valores ainda mais para cima. Erros cometidos, este ano, como os ocorridos com “Solo: A Star Wars Story”, que decepcionou na arrecadação, não devem se repetir. Para isso, mudanças já foram feitas. A estreia de “Toy Story”, por exemplo, foi alterada bem como a da sequência de “Vingadores”. Roteiristas da Pixar também foram dispensados por divergências criativas com a equipe. A decisão em manter a Princesa Leia em “Star Wars: Episode IX”, mesmo após a morte de Carrie Fischer, é também uma forma de atrair o público. 

A Disney, de fato, aposta alto, em 2019. O ano poderá ser determinante no tocante à produção de live-actions. Caso os três lançados no ano que vem sejam lucrativos, a companhia certamente continuará a produzi-los. Do contrário, um freio poderá ser dado no processo. Até o momento, apenas “Cruella”“Malévola 2” e “Mulan” são produções certas. “Pinóquio” ainda é dúvida.

Que venha, então, 2019! E que nenhuma das apostas decepcione.

Sobre o autor

Patriolino Ribeiro Neto

Patriolino Ribeiro Neto é formado em Publicidade e Propaganda pela Universidade de Fortaleza. É também graduado em Jornalismo, área em que atua há mais de dez anos. Em 2008, a estreia na televisão ocorreu quando passou a comandar um telejornal esportivo. Viajar sempre foi uma paixão, tornando-se parte do seu trabalho em 2009. A curiosidade pela Disney o inspira desde pequeno. Muito cedo, começou a frequentar os complexos de parques temáticos da empresa ao redor do mundo e, até hoje, os tem como destinos preferidos. Dentre os seis resorts, Walt Disney World e Disneyland são seus prediletos.